Os grupos de pesquisa têm como função subsidiar as linhas de pesquisa, bem como fomentar a produção discente e docente. Os grupos desenvolvem estudos referentes às narrativas midiáticas, às imagens midiáticas e à relação entre mídias e cidade. Seguem os grupos e suas respectivas ementas.




Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (NAMI)

Este grupo de pesquisa integra pesquisadores (docentes e discentes) interessados em investigar as especificidades que caracterizam as linguagens utilizadas nas narrativas encontradas em diferentes meios de comunicação. A proposta é a de discutir, no âmbito da comunicação e das culturas, as estratégias do narrar, suas subjetividades e poéticas, associadas à produção de sentidos e às práticas sociais. Os encontros privilegiarão, num primeiro momento, a construção de um repertório conceitual conjunto dos participantes, com a revisão do estado da arte. Em seguida, como forma de compartilhar o conhecimento produzido, pretende-se organizar eventos abertos à comunidade acadêmica, além de se apresentar comunicações para os congressos da área e artigos, que serão submetidos para avaliação de periódicos.

 

NAMI no Diretório CNPq:

NAMI no Diretório CNPq


Grupos de Pesquisa: Mídia, Cidade e Práticas Socioculturais (GPMidCid)

As atividades do grupo de pesquisa Mídia, Cidade e Práticas Sociais são executadas por pesquisadores da UNISO e de outras universidades e instituições nacionais e estrangeiras e por pesquisadores visitantes. Considerando que a cidade é o locus, por excelência, da circulação das Práticas Sociais, busca-se pensar os modos como tais fenômenos delimitam o espaço (concreto ou imaginário) e condicionam a geração de sentidos nos ambientes urbanos. Assim, a linha de pesquisa investiga os múltiplos fenômenos de comunicação que pontuam o espaço urbano, especialmente os que se relacionam à arte, à ciência, ao corpo, à cultura popular, ao consumo, às instituições, às novas tecnologias. O GP MidCid parte do trabalho de ensino e pesquisa que vem sendo realizado na pós-graduação. Seu objetivo é o de realizar trabalhos de integração entre pesquisadores e estudantes de diferentes níveis interessados nas questões ligadas à pesquisa em comunicação com seus desdobramentos em Mídia, Cidade e Práticas Sociais. Esses campos da esfera do simbólico portam significações e oferecem novos referenciais nas leituras que se estabelecem sobre o cotidiano na contemporaneidade. Os estudos articulam-se com as linhas de pesquisa do programa da Pós-Graduação da UNISO que estão em desenvolvimento no campo das mídias. As atividades se desenvolvem apoiadas na visão multidisciplinar com o intuito de produzir e divulgar conhecimentos relevantes na contemporaneidade. Produziremos cursos, seminários, conferências, eventos multimidiáticos e publicações de artigos e livros.

 

2017


Grupo de Pesquisa - NAMI, GPIM e MIDCID (ebook Chile)

Silva, Paulo Celso da;
ISBN: 978-85-62263-03-3

 

2016


Grupo de Pesquisas em Narrativas Midiáticas - NAMI (capa) (ebook)

Silva, Míriam Cristina Carlos; Martinez, Monica e Azoubel, Diogo (ed.)
ISBN: 978-85-62263-02-6

 

 

MIDCID no Diretório CNPq:

MIDCID no Diretório CNPq


Grupo de Pesquisa em Imagens Midiáticas (GPIM)

O Grupo de Estudos de Imagem Midiáticas (GPIM) tem como objeto de estudo a produção de sentidos de processos e produtos midiáticos, com ênfase na relação palavra/imagem, na relação da imagem com o pensamento e com a técnica; no processo de construção social da visão; nas metodologias de interpretação da imagem e na aplicação e desenvolvimento de metodologias de pesquisa em comunicação que envolvem imagens

 

2015


Midicidade (ebook)

Silva, Paulo Celso da; Garcia, Wilton e Laruccia, Mauro Maia (orgs.)
ISBN: 978-85-89909-42-6

 

2014


Mídia e Cidade (ebook)

Silva, Paulo Celso da; Garcia, Wilton (orgs.)
ISBN: 978-85-89909-47-1

 

GPIM no Diretório CNPq:

GPIM no Diretório CNPq




Linha de Pesquisa: Análise de Processos e Produtos Midiáticos

 

Luciana Coutinho Pagliarini de Souza

  •  

    2014-2015

    A mulher brasileira na relação com o trabalho em fotos jornalísticas: uma análise comparativa

    Luciana Coutinho Pagliarini de Souza e Maria Ogécia DrigoUniso e RED/ALEC

     

    Descrição: Considerando-se que a entrada das mulheres no mercado de trabalho, nas últimas décadas, resultou não só no reordenamento do mercado como também das relações familiares, propõem-se refletir sobre como as representações visuais das mulheres na mídia impressa contribuem para amenizar, dirimir ou reforçar as desigualdades de gênero enfrentadas pelas mulheres no Brasil. Para atingir o objetivo proposto, tomamos como corpus os primeiros cadernos dos jornais Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, nos anos de 2013 e 2014. Apresenta-se uma retrospectiva da trajetória da mulher no mundo do trabalho, a partir de Castells; reflexões sobre a pós-modernidade com Harvey e Giddens; dados recentes do IBGE sobre a presença da mulher no trabalho, com os quais se constata que as mulheres estudam mais, no entanto possuem formação em áreas que auferem menores rendimentos; estão mais presentes no mercado de trabalho, mas continuam ganhando menos; conquistaram espaço entre os responsáveis pelas famílias e domicílios; e, mesmo entre elas, há importantes diferenciais regionais e de cor ou raça. Com a coleta e classificação das representações visuais de mulheres brasileiras; em seguida, com a análise, na perspectiva da semiótica peirciana, de representações visuais selecionadas, pode-se avaliar em que medida tais representações reafirmam os resultados da pesquisa. Refletir sobre a possibilidade da contribuição do jornal impresso, com ênfase nas fotos jornalísticas, para amenizar as desigualdades de gênero, num contexto tão marcado por conflitos com a diferença, em escala planetária, constitui a importância desta pesquisa.

     

    2012

    Arte, mídia, discurso: interface e produção de sentidos

    Pesquisa Interinstitucional: Uniso/Univás

    Luciana Coutinho Pagliarini de Souza (coordenadora pela Uniso) e Mírian dos Santos (coordenadora pela Univás)


    Descrição: O eixo central que articula todos os trabalhos é o caráter artístico que permeia os discursos ou produtos midiáticos, por isso agrega professores e alunos, de ambas as Universidades, interessados em estudar e compreender a arte em geral e, em especial, a arte que emergiu no século XX e continua a proliferar nesses anos iniciais do século XXI.

     

    2008

    A relação palavra/imagem na mídia outdoor: um estudo comparativo entre São Paulo e Berlim

    Agência de fomento: FAPESP (estágio pós-doutoral na Universität Kassel – Kassel/Alemanha)

     

    Descrição: Esta pesquisa que aborda a relação entre palavra e imagem em outdoors de contextos culturais diferentes - a cidade de São Paulo (Brasil), antes da Lei “Cidade Limpa”, e a cidade de Berlim (Alemanha) -, tem como objetivos: 1) explicitar temáticas comuns aos outdoors que compõem o espaço urbano dessas cidades; 2) explicitar as relações entre palavra e imagem presentes no campo gráfico dessas peças selecionadas e 3)sugerir formas de tratamento das relações palavra e imagem que transcendam aspectos culturais específicos desses contextos. O percurso metodológico se fará mediante coleta de dados – registros fotográficos de outdoors nas cidades mencionadas; depois com comparações para inventariar as temáticas confluentes e análise semiótica das peças selecionadas, sem deixar de considerar o entorno em que a peça está localizada nessas cidades, fundamentando-se na semiótica da palavra e da imagem desenvolvida por Winfried Nöth e Santaella, bem como se fundamentando em ideias de Arheim, Dondis, Gibson, Munari e outros. A relevância da pesquisa está na possibilidade de que a partir de temáticas confluentes, pode-se também modificar as relações palavra/imagem para que estas se tornem significativas em contextos culturais diferenciados.


Maria Ogécia Drigo

  •  

    2015 - Atual

    Deleuze e Peirce: imagem-movimento e imagem-tempo nas relações entre pensamento e imagem

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: Esta pesquisa tem como contexto as relações entre o pensamento e as imagens cinematográficas desenvolvidas por Gilles Deleuze na confluência com ideias de Charles Sanders Peirce, notadamente as que tratam da taxionomia dos signos e das categorias fenomenológicas, uma vez que Deleuze as utiliza para pensar os signos/imagens cinematográficos. As obras A imagem-movimento - Cinema 1 e A imagem-tempo - Cinema 2 compõem o corpus da pesquisa que tem como propósito primeiro a compreensão de como Deleuze articula as categorias fenomenológicas: primeiridade, segundidade e terceiridade e parte da taxionomia dos signos da semiótica peirciana, aos conceitos de imagem-movimento e imagem-tempo. A partir disto propõem-se os objetivos de inventariar as contribuições do pensamento deleuzeano para a compreensão da relação entre pensamento e imagem e explicitar estratégias metodológicas para análise de imagens em movimento. Trata-se de uma pesquisa cuja relevância está na exploração do potencial dos conceitos de imagem-movimento e imagem-tempo propostos por Deleuze para a reflexão sobre o pensamento e para a elaboração de estratégias metodológicas de análise de imagem em movimento.

     

    2016 -atual

    Espaço de vivência/exclusão: a mulher/empregada doméstica em foco

    Uniso/REDALEC

    Maria Ogécia Drigo (Coordenadora). Integrantes: Luciana Coutinho Pagliarini de Souza e Paulo Celso da Silva.


    Descrição: A pesquisa tem como tema a exclusão construída no contexto da pós-modernidade, considerando-se que esse processo de afastamento e de privação construídos para determinadas pessoas ou grupos sociais, tidos como estranhos ou diferentes, os mantêm em guetos, ou atrás de fronteiras invisíveis vinculadas à comensalidade, ao conúbio e ao comércio entre outros. Consideramos que há também fronteiras que podem ser desveladas em espaços de vivência de ambientes domésticos, entre empregadores (geralmente uma família) e mulheres, empregadas domésticas, no contexto dos lares brasileiros. Assim, com o objetivo de identificar os sentidos que emergem da construção desses espaços de vivência/exclusão, tomamos como corpus o filme brasileiro "Que horas ela volta?", de 2015, por Anna Muylaert. A questão que nos guia: em que medida os espaços domésticos construídos neste filme e que envolvem o empregador (acrescido dos membros da sua família) e uma empregada doméstica, revelam-se como espaços de exclusão? Para tanto, tomamos conceitos de pós-modernidade e suas consequências, na perspectiva de Bauman; refletimos sobre o papel de produtos midiáticos na construção e revelação da exclusão, valendo-nos de Muniz Sodré e, por fim, analisamos o filme, seguindo passos propostos por Aumont e Marie, além de também utilizar estratégias semióticas, na perspectiva peirciana, para análise das imagens. Estas últimas serão constituídas de recortes de sequências do filme, que enfatizam os ambientes da moradia do empregador como um todo e o quarto da empregada, como parte dessa moradia. A importância dessa pesquisa está na possibilidade de construir pontos de vista diferenciados para possíveis fronteiras invisíveis entre pessoas ou grupo de pessoas, fronteiras estas que acentuam os problemas advindos da dificuldade de conviver com as diferenças, quer sejam econômicas, sociais, étnicas ou religiosas e, principalmente, envolvendo a mulher.

     

    2012 - 2013

    Publicidade e Consumo: caminhos e descaminhos da juventude enquanto valor

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: A publicidade e o consumo constituem o contexto dessa pesquisa que tem como propósito refletir sobre a possibilidade da construção, por meio da publicidade, de ambientes que propiciem a vivência com a juventude enquanto valor, com implicações no consumo, e, desenvolver procedimentos interpretativos para representações visuais, enquanto objetos vistos como manifestações materiais da cultura, veiculados na publicidade. Para alcançar esses objetivos, valemo-nos de Bauman (1998, 2001, 2007, 2008), Hall (2006), Maffesoli (2005, 2006, 2010), Lipovetsky (2007, 2009), Canclini (2006) e McCraken (2003), entre outros, para tratar de aspectos da contemporaneidade e do consumo; Savage (2009), Giddens (1993, 2001), Ariès (1991) e Borelli (2008, 2009) para tratar da questão da juventude, também de Santaella (2002), Santaella e Nöth (2010), Merrell (1997) e Dondis (2007) para análise semiótica de representações visuais, selecionadas em peças publicitárias disponibilizadas nos meios de comunicação, no transcorrer do segundo semestre de 2012, com marcas vinculadas à moda, às tecnologias, às produções artísticas e à saúde e bem-estar. Essa pesquisa adere às tendências culturalista-midiáticas, que tomam como relevante a expansão do papel da mídia na vida social e que incorporou, a partir dos anos 70 do século XX, os estudos referentes à contemporaneidade. Tal tendência desenvolve estudos que abordam os meios de comunicação e suas implicações como componentes de uma dimensão sócioantropológica maior, a dimensão da cultura, na qual os meios de comunicação encontram uma lógica de desenvolvimento que lhes é própria, mas ao mesmo tempo inseparável das injunções culturais. A relevância dessa pesquisa está na possibilidade de enfatizar como a juventude constitui-se, no contexto contemporâneo, integrando dimensões utilitária, comercial e sociocultural.

     

    2009 - 2011

    Imagem e pensamento em cena

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: A investigação tem como cenário o cotidiano permeado de imagens ou representações visuais - desenhos, pinturas, gravuras, fotografias e imagens cinematográficas, televisivas, holo e infográficas -, que, de algum modo, vão compor nossas imagens ou representações mentais. Assim, o percurso metodológico da investigação tem como objetivos gerais: explicitar o papel das representações visuais no pensamento e argumentar sobre os prováveis motivos pelos quais se atribuem às imagens mentais um papel menor no pensamento. Os específicos são os seguintes: construir um pensamento crítico sobre o cenário mencionado; explicitar a relação entre pensamento e imagem; rever o processo perceptivo envolvendo representações visuais e explicitar as operações mentais vinculadas às formas visuais. Tal trajetória far-se-á com pensadores como Platão, Leibniz, Descartes, Hume e outros, notadamente nas suas ideias referentes às imagens mentais; em seguida, para montar o cenário nosso ponto de partida valer-se-á de Baudrillard, Virilio e Jameson, entre outros e, finalmente, da semiótica peirceana, especialmente da Lógica Crítica e da Lei da Mente, sem deixar de buscar assentamento para algumas dessas ideias em Damásio. A relevância desta investigação está no fato de se tentar resgatar o papel das imagens para o pensamento e, com isso, atenuar as especulações, as fantasias que se constroem em torno das imagens que invadem nosso olhar.

     

    2008

    Publicidade de Rua/Contexto Urbano: que relação é essa, afinal?

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: Esta pesquisa, que tem como pano de fundo a cidade de São Paulo (SP/Brasil), antes e depois da Lei Cidade Limpa, ao deslindar o modo como se configura a relação anúncios publicitários/contexto urbano, em diferentes cidades, propõe que esses sistemas possam se integrar e constituir um sistema de (signos/objetos) funcional, se as peças da publicidade de rua forem tratadas como elementos do contexto urbano, tanto na sua produção como na sua distribuição pelas cidades. O percurso metodológico que toma a publicidade de rua e o contexto urbano como sistema de signos, segundo a semiótica peirciana, se fará mediante coleta de dados e análises desses registros fotográficos envolvendo a publicidade de rua em São Paulo, Frankfurt ou Berlim, fundamentadas também nas ideias de Ferrara e de Lynch sobre o contexto urbano e de Baudrillard, sobre a publicidade, com ênfase no conceito de funcionalidade. A relevância desta investigação está na possibilidade de que os resultados sejam gerais, portanto, relevantes para múltiplos contextos culturais; bem como por considerar que estudos sobre a paisagem urbana (com a publicidade de rua nela inserida) são pertinentes aos profissionais da comunicação, notadamente, aos que se dedicam a comunicação visual.

     

    2012-2015

    Representações do outro: estudo com imagens em livros didáticos

    Luciana Coutinho Pagliarini de Souza (coordenadora) e Maria Ogécia Drigo

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: O contexto da pesquisa vem de interseções entre Comunicação e Educação. Do lado da comunicação, enfatizamos a presença das imagens enquanto representações visuais, compondo as mais diferenciadas linguagens. As imagens invadem o contemporâneo até de modo anárquico e, pela natureza ecológica de sua construção, estabelecem correspondências sociais e naturais, o que favorece interações. Essas interações podem ser percebidas também no ambiente educacional e nos mais diversos meios, inclusive nos livros didáticos. Assim, a interface com a Educação se faz. Com o objetivo de propor uma metodologia interpretativa para imagens, enquanto representação visual e manifestações concretas da cultura, valemo-nos de Maffesoli, Hall, Arendt e Durand para caracterizar o contexto contemporâneo; de Todorov, Kristeva e Said para tratar da questão da alteridade, bem como da análise semiótica – semiótica peirciana - de imagens selecionadas, com Peirce, Santaella e Dondis. A amostra estratificada toma 20% do total de livros (20 livros) entre os resenhados nos Guias de Livros Didáticos – PNDL 2011 – para as séries finais do Ensino Fundamental das disciplinas escolares: Língua Portuguesa, Ciências, Matemática, História, Geografia, Língua Portuguesa e Língua Estrangeira. A relevância dessa pesquisa se traduz pela preocupação com a construção de ambientes de coexistência – ambientes que propiciem a vivência com o outro, ou com o diferente, o estranho, o estrangeiro –, a partir de instituições escolares.


Míriam Cristina Carlos Silva

  •  

    2013 - Atual

    Narrativas Midiáticas

    Miriam Cristina Carlos Silva (Coordenadora). Integrantes: Tarcyanie Cajueiro dos Santos, Monica Martinez.

    Uniso

     

    Descrição: O projeto "Narrativas Midiáticas" tem como objetivo discutir, no âmbito da comunicação e das culturas, as diversas estratégias do narrar, sua arqueologia, história, objetividades, subjetividades, poéticas, tendências e inovações, associadas à produção e análise de sentidos e às práticas sociais. Investiga igualmente as especificidades que caracterizam as diferentes linguagens utilizadas nas narrativas comunicacionais, como por exemplo a jornalística, encontradas em diferentes meios e ambientes, como o impresso, o eletrônico e o digital. Contempla também estudos sobre os processos tradutórios e dialógicos, os modos de organização e estruturação dos textos, as estratégias narrativas e enunciativas envolvidas na configuração de gêneros e formatos, bem como regimes de circulação, que podem abarcar interfaces com outras áreas do conhecimento.

     

    2013 - 2015

    Narrativas midiáticas: Entre o fato e o acontecimento, nas pautas de João da Filmadora

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: Este projeto parte de uma pesquisa exploratória, na qual foi avaliado o estado da arte em relação aos conceitos de fato e acontecimento midiático, para chegar a um objeto específico, João da Filmadora, um comunicador informal, que levanta pautas da cidade de Campina do Monte Alegre, interior de São Paulo, para divulgá-las à grande mídia. Será avaliado, a partir destas narrativas, o papel do narrador contemporâneo, João da Filmadora, amparado pelas mídias digitais (sobretudo o celular e a internet), em cotejo com o narrador tradicional, de Walter Benjamin. Nas narrativas, além dos conceitos de fato e acontecimento, os elementos do absurdo, do poético, do mítico e do histórico permitirão a criação de um quadro tipológico e analítico.

     

    2006 - 2008

    Comunicação visual urbana: o texto híbrido da “mídia mural”

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: O projeto é o resultado da seleção, registro e análise de parte da comunicação visual realizada em muros e paredes, nas cidades de Sorocaba, SP, levando-se em conta seu aspecto verbal (semântico, sintático e estético), não verbal e híbrido, além de estabelecer relações entre os aspectos verbais e não verbais, agrupar a produção de acordo com as características em comum e avaliá-la do ponto de vista da produção e dos produtores, com a finalidade de entender as relações entre estas produções e a cultura em que se inserem. O trabalho busca ampliar a compreensão do texto da comunicação visual e proporcionar auxílio aos profissionais e estudantes de comunicação para entender o contexto no qual estão inseridos e em que medida os avanços tecnológicos afetam ou não a comunicação local.


Monica Martinez

  •  

    2013 - 2015

    The Way We are: Convergências e Dissonâncias na Pesquisa em Comunicação - a relação Brasil-Estados Unidos

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: Este projeto prevê, por meio da revisão de literatura e pesquisa de campo, com aplicação de questionários e realização de entrevistas em profundidade com pesquisadores brasileiros e norte-americanos em Comunicação, resgatar o panorama dos estudos contemporâneos da área. Prevê também realizar um estudo sobre as relações de dois cenários, o americano e o brasileiro, no contexto dos 13 programas de pós-graduação strictu sensu do Estado de São Paulo. O objetivo é o de problematizar as convergências e as dissonâncias dos estudos nos dois países e, por meio da investigação destes dois panoramas e da divulgação do resultado da pesquisa, possibilitar o fomento da parceria conjunta em eventos e publicações internacionais, incrementando o impacto.

     

    2014 – atual

    Communication styles and self-construal across cultures

     

    Descrição: Many years ago, Robert Norton introduced the notion of communicator style into communication research, with the notion that people tend to have predominant styles (e.g., dramatic, cautious, impression-leaving). Communication researchers have done some research with his instrument, but it has received little attention in cross-cultural research. At the same time, many scholars of culture and communication argue that different national cultures have different styles of communication—the British are understated, the French are argumentative, Brazilians are gregarious. Some research has suggested individualism-collectivism as the main variable to predict cultural differences, though we suspect one of three possibilities:
    1. Norton’s eight original communication styles are actually distributed roughly equally within any given culture.
    2. If there are cultural differences, we suspect that they will not fall out in terms of cultures that value the in-group (collective), like Thailand, Korea, and Brazil versus Germany and the U.S., but that there will be differences in “national” character that are based more on the specific cultural histories of each nation.
    3. Self-construal, or one’s own personal degree of interconnectedness to others, may be a better predictor of specific communicator styles than national culture. With that in mind, the present study seeks to collect data from several nations on the basic communicator style measure.
    The protocol for collection in Brazil, German, and the United States. This is a cross-cultural study, involving at the moment the University of Illinois (USA), University of Antioquia (Colombia), University of Paderborn (Germany). This is a cross-cultural study, involving researchers of the University of Illinois (USA), University of Antioquia (Colombia), University of Paderborn (Germany) and University of Sao Paulo and University of Sorocaba (Brazil).

     

    2015 – atual

    BRICS, narrativas e sistemas midiáticos transnacionais: a relação Brasil-Índia

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: Este projeto tem como objetivo investigar as narrativas nos sistemas midiáticos dos BRICS, em particular no contexto de dois países que compõem o bloco, Brasil e Índia. No âmbito deste projeto, num primeiro momento, o que nos interessa em específico é a investigação da produção e das estratégias midiáticas transnacionais, em particular dos sistemas e processos produtivos, considerando suas condições, narrativas e lógicas. Entende-se que o próprio estudo em si, por meio da revisão de literatura e da inserção em campo para realização de entrevistas de profundidade com estudiosos, sobretudo indianos, permitirá fomentar a interlocução com pesquisadores da área de Comunicação que se dedicam ao tema ou que atuam na Índia. Do ponto de vista de método, trata-se de uma pesquisa qualitativa, que prevê revisão de literatura e, nos estudos comparativos, da análise de conteúdo e, se necessário, da história de vida. Finalmente, do ponto de vista de compartilhamento dos resultados, prevê-se a divulgação dos achados parciais por meio da participação em eventos científicos no país e no exterior e publicações de artigos em revistas científicas nacionais e internacionais, bem como edição dos resultados finais da pesquisa em um livro ao término do estudo.

     

    2014 – 2015

    Narrativas Midiáticas Sobre Alimentação: O Que A Comida Comunica

    Miriam Cristina Carlos Silva (Coordenadora). Integrantes: Eliete de Souza Della Viola

    Uniso

     

    Descrição: Com este projeto, busca-se problematizar o tratamento dado às narrativas midiáticas contemporâneas sobre o alimento, investigando-se a linguagem (verbal e não verbal) e suas possibilidades de construção de sentidos, a partir da articulação entre a comunicação e a cultura. Para tanto, foi realizada uma pesquisa com o levantamento aleatório de posts sobre alimentação, inseridos nas principais redes sociais da internet, no ano de 2014 e posteriormente a análise dos posts, com base na teoria das narrativas e na semiótica da cultura. Esta pesquisa tem por objetivo identificar os subtextos culturais e processos de midiatização, os quais permitirão a criação de um quadro tipológico e analítico. A metodologia envolve pesquisa documental, bibliográfica e observatória e análise de conteúdo, levando-se em conta os elementos da narrativa e a presença de textos culturais (LOTMAN, 1978) diversos. Considera-se que os autores e teorias revisados convergem e referendam a hipótese de que as práticas alimentares são importantes manifestações culturais e formas de sociabilidade. É possível afirmar, com base nas leituras realizadas, que, embora os conceitos de comunicação e de linguagem possuam discrepâncias e até oposições, a comida é um modo de comunicação, que se manifesta em distintas vertentes nas narrativas midiáticas.


Rodrigo Fontanari

  •  

    2015- Atual

    Em Busca do “grau zero da imagem” - Aproximações entre a obra cinematográfica de Alain Robbe-Grillet e a teoria sui generis da imagem em Roland Barthes

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: O presente projeto de pesquisa debruça-se sobre a obra filmográfica de Alain Robbe-Grillet, buscando entendê-la à luz de Cahiers du cinéma, no ensaio intitulado “O terceiro sentido. Notas de pesquisa sobre alguns fotogramas de S.M. Eisenstein”. Trata-se de um conceito que se refere a uma utopia da linguagem, um estado de “a-linguagem”, de bloqueio, em que parece ser abolido todo desejo e toda necessidade de proliferação e de desdobramento: signo de uma plenitude que suspende a linguagem e abole a significação. No plano imagético do cinematográfico seus correspondentes seriam aqueles momentos em que a câmera apenas designa objetos, sem deixar a cena evoluir para o melodrama, que reclama por objetos mais conotados, carregados de significação. Partimos da hipótese de que a obra cinematográfica de Alain Robbe-Grillet constitui-se num nouveau cinéma suscetível de ser entendido à luz dos mesmos conceitos formulados por Roland Barthes para o Nouveau Roman. Metodologicamente, amparamo-nos em pesquisa bibliográfica de largo espectro, envolvendo estudos não apenas das revoluções do romance e do cinema, mas, também, da crítica em meados do século XX. Para interpretação e análise das imagens cinematográficas de Robbe-Grillet apoiar-nos-emos nos pressupostos teóricos barthesianos que fundam seu pensamento suis generis sobre as imagens técnicas. O corpus da pesquisa envolve a filmografia completa de Robbe-Grillet, num arco de acontecimentos que vai de L’année dernière à Marienbad (1961) a C’est Gradiva qui vous appelle (2006). Acrescenta-se a isso a obra escrita de Robbe-Grillet, de que cuidam os primeiros ensaios de Barthes e os mesmos ensaios críticos que os alvejam. Acreditamos que a relevância do trabalho esteja em contribuir para uma melhor compreensão das relações entre imagem e palavra e, ato contínuo, entre literatura e cinema. Vale destacar que os conceitos aqui trabalhados estão cada vez mais na mira dos estudiosos de Barthes, cuja obra, por sua vez, é cada vez mais estudada.


Linha de Pesquisa: Mídias e Práticas Socioculturais

 

Felipe Tavares Paes Lopes

  •  

    2015 - Atual

    Discursos e práticas de resistência ao "futebol moderno": aspectos críticos e ideológicos

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: Esta pesquisa objetiva responder à seguinte questão: em que medida e como os discursos e práticas de resistência ao "futebol moderno" minam ou, pelo contrário, estabelecem e sustentam relações de dominação? Para responder a tal questão, apoiar-me-ei no referencial teórico-metodológico desenvolvido por John B. Thompson e estruturarei a pesquisa em três etapas: num primeiro momento, analisarei o contexto sócio-histórico da emergência e do desenvolvimento do referido futebol, enfocando as relações de dominação que o caracterizam. Num segundo momento, discutirei os sentidos mobilizados pelos discursos e práticas de resistência ao "futebol moderno". E, num terceiro momento, buscarei explicitar as conexões possíveis entre esses sentidos e as relações de dominação que caracterizam o contexto analisado na primeira parte da pesquisa. Meu interesse em desenvolver esta pesquisa deve-se, entre outras coisas, à relevância e premência do debate acerca do processo de mercantilização, elitização e espetacularização do futebol brasileiro e ao fato de ela enfocar o movimento de resistência a esse processo, abordando um aspecto ainda muito pouco explorado pela literatura científica.


Mara Ferreira Rovida

  •  

    2016 - Atual

    O Diálogo Social Solidário no espaço urbano

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: Esta pesquisa tem por objetivo ampliar e aprofundar a compreensão sobre a participação do comunicador, ênfase para o jornalista, como mediador social em situações urbanas. Para isso, parece ser pertinente compreender o fenômeno comunicacional como parte de um cenário de pesquisa específico – o espaço urbano – onde as interações (ou relações) entre sujeitos se desenrolam. Mais especificamente, espera-se testar a pertinência da noção teórica identificada como Diálogo Social Solidário para a pesquisa comunicacional contemporânea. Essa noção teórica pode ser compreendida como um fenômeno em que o comunicador, por meio de suas narrativas dialógicas, tem potencialmente a capacidade de ampliar a abrangência da solidariedade social ao apresentá-la em sua fala. A forma orgânica da solidariedade social (Durkheim) se faz presente no cotidiano de trabalho desses profissionais da comunicação, conforme atestado em pesquisa de campo em que o conceito foi originado (Rovida, 2014), e acaba por alcançar o público, fruidor da informação jornalística, quando o mediador consegue torná-la parte de suas narrativas. Colocar à prova essa perspectiva requer um constante debate epistemológico sobre o fazer jornalístico, bem como uma reflexão e ensaios empíricos sobre metodologias adequadas à observação de fenômenos sociais (e comunicacionais) efêmeros como a dialogia jornalística (Medina) e a solidariedade orgânica (Durkheim). A adequação das ferramentas metodológicas ao perfil dos processos sociais observados é outra questão discutida. Dessa forma, a pesquisa também se coloca como plataforma para avaliar procedimentos metodológicos empíricos (pesquisa qualitativa) e a pertinência das imersões em campo para a observação/compreensão das interações e interferências provocadas pelo comunicador (jornalista) nos espaços urbanos.


Paulo Celso da Silva

  •  

    2016 - Atual

    Mídia Territorial Resiliente: Levantamento e análise das políticas públicas ambientais e de inclusão cidadã no âmbito das Smart Cities

    Paulo Celso da Silva (coordenador). Integrantes: Wilton Garcia, Daniela de Oliveira lima e Grissel Meneses.

     

    Descrição: Esta pesquisa resulta de reflexões acerca do tema das Smartcities levado a cabo nos últimos 5 anos, em que as relações mídia e cidade, mídias e tecnologias como estruturadoras do espaço urbano e seus territórios de entorno indicaram a ocorrência de um fenômeno, ao qual denominamos de guettrificação, ou seja, uma mistura de guetificação (segregação e exclusão) com gentrificação (aburguesamento e valorização de áreas “degradadas”). Isto nos indicou a necessidade de propor e investigar outras possibilidades que se apresentam para o viver contemporâneo nas classes mais pobres da população e as formas como aplicativos e redes sociais podem ou não auxiliar na superação das dificuldades nos territórios das Smartcities, processo que denominamos de Mídia Territorial Resiliente, entendido aqui como um processo socioecológico e não apenas individual. Dessa forma, a pesquisa ora apresentada, pretende responder à pergunta inicial vinculada a que maneira tais processos fortalecem ou não aos grupos mais carentes socialmente. Para tanto, o método escolhido será o Mixed Methods, tendo em vista que o levantamento de dados, quantitativos e qualitativos, será necessário. Tais dados referem-se às Políticas Públicas ambientais e cidadãs. As cidades escolhidas para o projeto são Barcelona, Paris, São Paulo, México DF, com as quais entendemos ser possível indicar cidades da comunidade europeia e cidades latino-americanas, dos dois hemisférios, todas com significativas aproximações e diferenças. A hipótese inicial refere-se às diferentes maneiras com as quais capital global, em parceria com o poder público, implanta e utiliza a Mídia Territorial Resiliente com resultados diferentes e excludentes.

     

    2014 - 2016

    Análise dos Modelos Globais da Comunicação Urbana a partir do conceito de Smartcity: Comparativo entre as cidades de Barcelona (ESP), celebration (USA) e Songdo (KOR)

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: Este projeto contempla três cidades em três continentes - Barcelona (ESP), Celebration (USA) e Songdo (KOR) - que se pretendem modelos ou paradigmas do viver urbano contemporâneo. A escolha de tais cidades deve-se ao fato de, através delas, entendermos ser possível observar e analisar o que indicamos como modelos globais da comunicação urbana, entendendo esse conceito enquanto processos comunicacionais (leituras em seus suportes midiáticos) de constituição da cidade. A hipótese inicial pretende responder se os modelos globais de comunicação urbana são garantia ou possibilitam a criação de uma identidade cultural nos lugares, visto que os conceitos que definem as cidades para o mundo - como Smartcity, Cidade Informacional, Cidade do Conhecimento etc - tendem a ser incorporados no cotidiano das pessoas dessas cidades como mais uma informação processada e/ou assumida. Outro plano para o entendimento desses modelos globais é o fato de serem consideradas U-Cities (Ubiquitous Cities), ou seja, cidades onde os padrões de interoperabilidade permitem a utilização de várias tecnologias de comunicação e informação (e-services) para distribuir e receber dados significativos aos seus habitantes, gerando a U-life, considerada por alguns como vida totalmente monitorada. Estaremos apoiados em nossos estudos e pesquisas anteriores sobre Celebration e Barcelona e aprofundando as investigações em Songdo através de autores como Lee e Oh, Jackson, Gardner e Wainwright. Também Santos, Flusser, Moreira, Sassen, entre outros completam o quadro para reflexões sobre os temas.

     

    2011 - 2013

    Geografia da Comunicação: análise da produção intelectual do Dr. Milton Santos e a sua aplicação/relação com a Comunicação

     

    Descrição: Este projeto contempla o levantamento e análise da obra do geógrafo Milton Santos. A importância das obras será analisada com vistas às implicações e contribuições que possam oferecer para a área de comunicação e, em especial, a subárea Geografias da Comunicação. No marco do referencial teórico, utilizamos o processo de Globalização e suas implicações no Período Técnico Científico Informacional, no qual a comunicação e suas tecnologias são organizadoras do espaço social, criando e gerando outros tempos e espaços, como o ciberespaço, os processos de interculturalidades, por exemplo. Para tanto dividimos em dois momentos: a obra acadêmica em formato de livros e artigos e a obra jornalística publicada em jornais de São Paulo e Bahia. Este projeto também contempla um estágio pós doutoral de 12 meses sob a supervisão da Profa. Dra. Sônia Virgínia Moreira, Professora Adjunta da Faculdade de Comunicação Social e Professora do Corpo Docente Permanente no PPG-COM Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e líder do Grupo de Pesquisa Geografias da Comunicação do CNPq.

     

    2008 - 2010

    Gentrification e espaço urbano: estudo comparativo de bairros operários através da teoria da comunicação intercultural. Os casos de Sorocaba/Brasil e Barcelona/Espanha

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: O conceito de Gentrification foi cunhado nos anos 1960 para conceituar as melhoras físicas que são implantadas em bairros considerados, principalmente, pelo poder público e mercado imobiliário, como áreas degradadas, elevando o status social, econômico e/ou cultural. Essa busca de requalificação coloca em evidencia, no espaço público, as tensões entre modernidade e pós-modernidade que já se apresentavam ao cidadão de cidades que viveram a industrialização tradicional (têxtil). Este estudo analisa, dois bairros de industrialização têxtil, um brasileiro e outro espanhol, que em sua formação receberam o epíteto de Manchester, lembrando a imagem da cidade inglesa industrial. O objetivo principal deste trabalho é fazer uma aproximação teórica e prática do conceito e do fenômeno da Gentrification na comunicação, no âmbito das Geografias da comunicação. Nossa hipótese é que a imprensa escrita é um importante agente social na gentrification de bairros dessa natureza, muitas vezes servindo a interesses que ultrapassam seu papel de prestar um serviço informativo à população, direcionando a opinião pública para a necessidade da requalificação e transformações em um determinado espaço urbano, muitas vezes contrariando as opiniões e necessidades dos moradores locais.

     

    2007 - 2008

    O Conceito De Espaço Utilizado Na Comunicação - Análise A Partir dos Artigos Publicados nos Anais do XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - Intercom 2006.

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: O projeto pretende analisar o conceito de espaço, utilizado nos textos aprovados e publicados nos Anais do XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Intercom 2006. Nossa hipótese é a de que, hoje, mais do que em um passado recente, é o espaço, e não mais o tempo, o que revela o meio técnico-científico-informacional, do qual a sociedade midiática se apropria e em que se apoia, formando territórios informacionais sustentados em redes telemáticas, ainda que distribuídas desigualmente pelo planeta, e que possibilitam tanto a comunicação como a economia globais. Portanto, o espaço não é uma mera abstração, assim como as redes não são espaços virtuais, conforme muitos creem, mas a possibilidade do fazer e viver contemporâneos. Isso implica em reconhecer que espaço e território não podem ser sinônimos de lugar, região, paisagem, configuração territorial e outros recortes espaciais que possibilitem reconhecer a sociedade midiática atual. Assim, tal hipótese surgiu em decorrência das discrepâncias e diferenças quando das apresentações dos trabalhos aceitos pela organização da Intercom, nos quais chamou-nos atenção não haver uma preocupação em precisar o conceito. Buscamos, então, nos textos completos do Congresso, os artigos que serão primeiramente mapeados e posteriormente analisados. Atentando a isso, nossa pesquisa envolve um universo de pesquisa delimitado em 132 artigos publicados nos Anais Do XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Intercom 2006, delimitando-se como objeto os 118 artigos nos quais aparece o conceito de espaço e os 14 em que aparece território. Com esse recorte, focamos a pesquisa no campo da teoria da comunicação, pois entendemos que a Intercom é um fórum privilegiado de discussões e debates acerca das questões da comunicação contemporânea e, portanto, importante como formador de opiniões e teorias para os profissionais, alunos, professores, com consequências para, no mínimo, a sociedade brasileira.


Tarcyanie Cajueiro Santos

  •  

    2016 - Atual

    Mulheres e mma: gênero nas narrativas midiáticas do UFC

    Uniso

     

    Descrição: O esporte adquiriu grande importância nas sociedades de comunicação e informação, a tal ponto que sua análise pode revelar os princípios e valores sobre os quais as sociedades capitalistas se estruturam. Entre os mais diversos esportes, Ultimate Figthing Championship, principal torneio praticado pelos atletas das Artes Marciais Mistas (MMA), expressa e simboliza de forma contundente não apenas o contexto econômico, como também o sociocultural. Mesmo ainda sendo uma prática esportiva restrita ao universo masculino, há um grande crescimento de mulheres no MMA e no UFC. Diante disso, este projeto parte do seguinte problema: Como as atletas do Ultimate Fighter Championship são simbolicamente construídas pelo UFC e pela mídia? Que efeitos de sentido a mídia pode produzir no que diz respeito à construção do gênero feminino em um esporte tradicionalmente masculino? Objetivamos compreender qual é a representação das lutadoras do MMA pela mídia. O referencial teórico será dado por obras de autores como Giddens (2004), Lipovetsky (2002), Butler (2010) e Thompson (2014). A análise do discurso será o campo do saber sobre o qual trabalharemos metodologicamente. As notícias em sites, jornais, revistas e blogs especializados sobre a lutadora Ronda Rousey serão o corpus da pesquisa. Entre os possíveis resultados, esperamos ampliar e aprofundar as pesquisas na área de comunicação sobre a relação entre gênero e esporte, com foco no MMA, já que esse tema é pouco explorado. Este projeto se insere na linha de pesquisa Mídia e Práticas Socioculturais e tem como aporte central a comunicação midiática como mediadora e estruturadora de processos sociais e culturais mais amplos. Cultura e contexto social aparecem como interlocutores fundamentais nesta pesquisa.

     

    2015

    Comunicação, subjetividades e consumo: um estudo sobre as práticas socioculturais

    Uniso

     

    Descrição: Este projeto se insere no rol de preocupação que vem nos guiando desde 2008 com a pesquisa Comunicação, consumo e novas subjetividades: um estudo sobre as práticas mediáticas, culturais e sociais na contemporaneidade. No presente momento, este projeto busca entender como as subjetividades e a sociedade de consumo se articulam com a comunicação e cultura a partir da construção de sentidos decorrentes das mais diversas práticas midiáticas, como telenovelas e redes sociais. Nos valemos de metodologias qualitativas como análise de narrativas, análise do discurso e estudos de recepção. Esta pesquisa visa atender os projetos de mestrado dos orientandos, o grupo de pesquisa Nami e a linha de pesquisa "mídia e práticas socioculturais" na qual está inserida.

     

    2014-2015

    Narrativas, peregrinação e subjetividades

    Uniso

     

    Descrição: Este projeto buscou compreender a relação entre peregrinação, narrativas midiáticas e subjetividades. O recorte foram as narrativas midiáticas sobre o Caminho de Santiago de Compostela. O referencial teórico foi composto por autores como Walter Benjamin, Norval Baitello e antropólogos da religião.

     

    2013-2014

    O consumo e suas relações com a comunicação, cultura e subjetividades

    Uniso

     

    Descrição: Este projeto é um desdobramento do projeto jovem pesquisador (2008-2012), financiado pela Fapesp. Seu objetivo é compreender o consumo a partir de suas relações com a comunicação, a cultura e as subjetividades. Trata-se de um estudo cujo referencial teórico se apoia fundamentalmente em Foucault, Ehrenberg e Pelbart. Seu recorte inicial foram análises publicitárias que versavam sobre o discurso do consumo responsável. Ao se apoiar na análise do discurso inspirada em Foucault, que leva em conta o contexto sociocultural e os discursos que nele são produzidos, esta pesquisa visou atender os projetos de mestrado dos alunos e a linha de pesquisa na qual está inserido.

     

    2008-2012

    Comunicação, consumo e novas subjetividades: um estudo sobre as práticas mediáticas, culturais e sociais na contemporaneidade

    Agência de fomento: FAPESP

     

    Descrição: A passagem da sociedade disciplinar para uma sociedade de controle ocorre com a proeminência cada vez maior do consumo, que se tornou um dos principais lócus de constituição das subjetividades contemporâneas. Auxiliado pelos media e pela publicidade, o consumo acabou se constituindo como uma cultura, que fomenta hábitos e estilos de vida. Este projeto propõe analisar as transformações comunicacionais e sociais, assim como os impactos subjetivos relacionados à sociedade estruturada pelo consumo e pelos media, no contexto em que as imagens das mercadorias não apenas se tornam acessíveis a toda uma população como também são investidas de um forte componente simbólico e midiático. Procuraremos perceber o comportamento do consumidor contemporâneo a partir de uma perspectiva histórica, sociológica e comunicacional, elegendo a publicidade em sua imbricação com os media como um dos principais promotores desta cultura.


Wilton Garcia Sobrinho

  •  

    2016 - Atual

    Imagem, cultura e diversidade: estudos contemporâneos

     

    Descrição: Esta pesquisa, a partir da problemática apresentada, objetiva propor uma reflexão crítico-conceitual apontada para a performatividade afro-latina no Brasil, tendo estrategicamente como objeto de estudos alguns filmes brasileiros [Como esquecer (2010), de Malu de Martino; Nome Próprio (2007), de Murilo Salles; Olhe pra mim de novo (2010), Claudia Priscilla e Kiko Goifman; Febre do rato (2010), de Claudio Assis; Praia do futuro (2014), de Karim Aïnouz, entre outros], a fim de implementar o campo contemporâneo da Comunicação. Na escolha desses filmes, verifica-se a diversidade cultural/sexual atrelada à identidade de gênero e etnia/raça como performatividade, para a discussão de tensões sociais, fenômenos, valores e manifestações culturais. Esta pesquisa, assim, equaciona a seguinte pergunta: quais características podem ser verificadas no cinema nacional para que a diversidade seja ressaltada de modo afirmativo? O percurso metodológico constitui-se de observação, descrição e discussão acerca dos filmes brasileiros elencados, a relacionar as categorias imagem, cultura e diversidade. Hoje, tais categorias entrecruzam-se na produção de conhecimento e subjetividade. E o embasamento teórico de estudos contemporâneos contextualiza os estudos culturais e as tecnologias emergentes. Os resultados desta investigação configuram-se com a publicação de artigos em revistas científicas e posts (com textos e imagens) no blog < devoradigital.wordpress.com >, na expectativa de desenvolver a divulgação científica da pesquisa.

     

    2012-2015

    Comunicação, consumo e tecnologias emergentes: estudos contemporâneos

     

    Descrição: Este projeto de pesquisa trata de relações entre comunicação, consumo e tecnologias emergentes, ao considerar alguns aspectos econômicos, identitários, socioculturais e políticos, a fim de propor uma reflexão crítico-conceitual. Atualmente, observa-se o ato de consumir diante do inseparável binômio mercado-mídia, na discussão de tensões sociais, fenômenos, valores e manifestações culturais. De modo mais específico, a pesquisa apresenta um debate crítico acerca do impacto do consumo a partir da cultura digital, sobretudo no país. Nesse sentido, o desenvolvimento de uma ferramenta digital (um weblog com posts – configurados por textos e imagens – realizados quinzenalmente) efetiva-se como condição processual de registro e divulgação científica da pesquisa, na expectativa de produzir e disseminar diferentes experimentações textuais e/ou visuais a serem trabalhadas, paulatinamente. O percurso metodológico, aqui, constitui-se a partir da investigação qualitativa (exploratório-experimental) acerca de objetos e respectivos contextos de consumo – abordados no âmbito da comunicação. Verifica-se um diálogo interdisciplinar do consumo exposto na sociedade tecnológica. E o embasamento teórico ocorre pelos estudos contemporâneos, os quais contextualizam noções de atualização e inovação que aproximam os estudos culturais e as tecnologias emergentes.